Em carta com tom terrorista, integrante do PCC faz ameaça à polícia, secretário e até ao Judiciário de MS

0

Logo após o pedido de transferência de Guilherme Azevedo dos Santos, conhecido como ‘Gibi ou Execução’, para o Presídio Federal, uma carta foi interceptada pela direção do Presídio Gameleira de segurança máxima de Campo Grande.

O membro do PCC (Primeiro Comando da Capital) enviou a carta para a namorada.

O documento de quatro páginas descreve a preocupação de Guilherme em ser transferido para outro presídio fora do Estado.

Em um dos trechos, ele relata ser o líder da facção e esse seria o trabalho dele. Guilherme fala que está isolado em uma cela.

Ele também fala para a namorada sobre determinação judicial que iria definir sua transferência para Mossoró, Catanduvas, Porto Velho ou ainda Brasília.

Em um trecho da carta, o integrante do PCC diz: “Falam umas ideia na rua.. estão represária no sentido do secretário de segurança do estado [sic] […] raiva de promotor de justiça, raiva de justiça e da polícia. Se puder, vou ceifar todos como fiz com o Junior”.

O presidiário também confessou, no texto da carta, um homicídio cometido há 7 anos. Ele cita apenas o nome da vítima, que seria Junior.

Em outro trecho da carta, Guilherme relata que o pedido de transferência feito pelo Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) foi aceito pelo Ministério Público.

Relatório da Polícia Civil classifica que o manuscrito possui trechos terroristas, atentatórios à estabilidade das instituições constituídas, fazendo referência hostil ao Dracco, Sejusp, Ministério Público, Poder Judiciário e polícias em geral, motivados pelo inconformismo com a notícia do requerimento de sua remoção para presídio federal.

O documento será encaminhado à perícia da Polícia Civil para providências, diante de ameaças a delegacias do Estado.

No dia 20 de junho, Guilherme foi denunciado pelo MPMS (Ministério Público Estadual) por integrar a organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).

Ele foi flagrado com um bilhete no dia 31 de maio, no Presídio de Regime Fechado da Gameleira I — de segurança máxima — com instruções para criar explosivos e informações de atentados contra forças policiais.

O relatório do inquérito policial, do Dracco é finalizado com pedido de inclusão do acusado no Sistema Penitenciário Federal.

O pedido também se entende aos outros presos que compartilhavam a cela com Guilherme.

PCC

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui