Doações Eleitorais de Fiscais Tributários de MS vira notícia nacional

0

Engajamento dos Fiscais Tributários Estaduais colocam o Fiscal Chiquinho Assis como o pré-candidato com maior recursos decorrentes de doações eleitorais do país

Nas eleições de 2022, dois Fiscais Tributários pretendem disputar vagas no Poder Legislativo: o Deputado Estadual Amarildo Cruz (PT), que busca seu quarto  mandato na Assembleia Legislativa, e  Chiquinho Assis (REP), atual presidente licenciado do Sindifiscal/MS, que almeja seu primeiro mandato como Deputado Federal.

Como ocorre tradicionalmente na categoria dos Fiscais Tributários, houve grande engajamento de seus integrantes nas doações eleitorais, que, neste ano, se concentraram nos dois candidatos da própria categoria, as quais estão sendo realizadas por meio de “vaquinhas virtuais”, sistema aprovado pelo TSE que dá mais transparência e publicidade para as doações.

O engajamento e determinação dos Fiscais com as doações fizeram com que o pré-candidato Chiquinho Assis (REP) figurasse, até o momento, como o candidato com mais recursos decorrentes de doações para a campanha em todo o país, ficando à frente de figuras notórias nacionalmente como Deltan Dallagnol (operação Lava-Jato) e o deputado federal Kim Kataguiri (União).

Situação que chamou atenção da imprensa nacional, sendo noticiada pela Folha de São Paulo e pelo jornal O Globo, entretanto, em que pese a surpresa dos tabloides, não há nada de de inesperado nesse caso, isso porque quem conhece a categoria dos Fiscais Tributários de Mato Grosso do Sul sabe que tradicionalmente seus integrantes participam ativamente do processo eleitoral, principalmente no financiamento das campanhas dos candidatos da confiança de cada um.

Conforme o Diretor de Assuntos Jurídicos, Rodrigo Falco, “Os Fiscais sempre participaram, é hábito, um costume, e, apesar do tom pejorativo das notícias, é motivo, na verdade, de orgulho que nossa categoria tenha tamanho engajamento, espírito político e força para colocar nossos candidatos em condições competitivas no processo eleitoral, o que demonstra a nossa capacidade quando caminhamos para uma mesma direção, agora reconhecida nacionalmente.”

Falco destaca a legalidade das doações “são doações oficiais, nos termos da lei eleitoral  e na na forma estabelecida pelo TSE, realizadas livremente pelos Fiscais que acreditam nos candidatos, que são, na verdade, amigos e companheiros de trabalho de décadas na Secretaria de Fazenda, conhecedores, portanto, da capacidade de ambos.”

Em fato agravante, o Jornal O Globo ainda equivocadamente noticiou que “Um dos doadores é investigado pela Justiça Federal por suspeita de desviar R$ 6,5 milhões em recursos federais que eram destinados ao desenvolvimento da agricultura familiar no estado.”, ocorre que o doador não é a mesma pessoa investigada no referido processo, se tratando de pessoas homônimas (sujeitos distintos com o mesmo nome), situação facilmente verificável por meio dos CPFs de ambos, que são diferentes.

Sobre esse ponto, Falco completa “O erro constante na matéria o O Globo atinge a honorabilidade dos Fiscais Tributários, razão pela qual a repudiamos e, por óbvio, pediremos a devida retratação”.

E finaliza: “Para quem acha que já se arrecadou muito, é porque não conhece o tamanho e o potencial de nossa categoria, tenho certeza que, até o final do prazo, depois da homologação das candidaturas, ocorrerão ainda muitas outras doações, eu, por exemplo, doarei mais”.

O presidente em exercício do Sindifiscal/MS, Erik Bittencourt, esclarece que “Apesar de o Sindifiscal/MS não participar, de nenhuma forma, do processo eleitoral, alguns Fiscais, principalmente aposentados, nos procuram para obter informações sobre os meios de se fazer as doações por meio da vaquinha virtual, situação na qual nos limitamos a indicar os meios de comunicação e divulgação dos candidatos”.

Exemplo do referido engajamento, a Fiscal aposentada Denise Goossens, na última quinta-feira (28/7), compareceu à sede do sindicato em busca de informações sobre as doações, pois havia visto comentários de colegas nos grupos de WhatsApp, segundo ela “Sempre doei para os candidatos em que acredito, sendo fiscais ou não, é extremamente importante participarmos do processo eleitoral, neste ano vou doar R$ 4.000,00, metade para cada candidato de nossa categoria.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui