Polícia descarta que rapaz de 19 anos executado no Noroeste teria estuprado criança

0
Jovem foi morto com cerca de 10 tiros. (Foto: Nathalia Alcântara/Midiamax)

Nesta terça-feira (26), menina foi ouvida na Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) sobre um suposto caso de estupro. Apontado como autor, Rogério Baez Fernandes, de 19 anos, foi executado na tarde de segunda-feira (25), no Jardim Noroeste.

A denúncia de estupro foi feita no último domingo na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) por uma familiar da menina. A mulher foi chamada com urgência para levar a criança até a Depca, para o depoimento especial, que é feito com acompanhamento psicológico.

Segundo a delegada Anne Karine, da Depca, a mulher não teria levado a criança na delegacia na segunda-feira, mas a levou ao Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal), onde não foi confirmado abuso. O então apontado como suspeito do crime acabou executado a tiros no mesmo dia.

Já nesta terça-feira, o pai da criança a levou até a Depca. No depoimento especial, a menina não confirmou que teria sido abusada por Rogério. Assim, não foi confirmado caso de estupro.

Teria sido executado por dívida de droga

Após o assassinato, irmã detalhou ao Midiamax que a mãe lavava roupas e o rapaz almoçava no quarto, quando homens invadiram a residência e iniciaram os disparos. Rogério foi morto com disparos na cabeça. A mãe teria entrado na frente tentando evitar a morte dele.

“Invadiram [a casa] e mataram meu irmão. Estão falando de estupro, mas ele não é estuprador. Ele é usuário de drogas, acho que devia. Ele escondia as coisas [sobre dívidas de drogas], o que me falaram foi que foi a mando de alguém da cadeia”, disse.

A namorada do jovem disse que estava reunindo a documentação para tentar comprovar a inocência dele. A tia, por parte de pai, teria buscado a criança para passear, na última terça-feira (19), e ainda permanece com a menina.

“Colocaram minha filha no meio dessa história, não sei porquê, mas meu marido não fez isso. Isso [crime de estupro] está sendo usado para despistar. Ele dava amor e carinho, chamava ele até de pai. Ela vai fazer o exame, nada foi provado”.

Assassinado dentro de casa

O rapaz foi assassinado na frente da mãe, que gritava para não ter o filho morto, na Rua da Conquista, no Jardim Noroeste, em Campo Grande. Vizinhos relatam que os suspeitos fugiram em uma moto e em um Gol de cor preta.

Um vizinho detalhou que ouviu a mãe gritar: “Não mata meu filho”, em seguida cerca de 10 disparos foram feitos.

 

 

 

Fonte: JornalDoConesul

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui