Restauração Religiosa. Por Wanderson R. Monteiro

0

Acreditem ou não, mas as pretensões de expansão e avanço da Rússia passam, pelo menos teoricamente – e, particularmente, acredito que seja real -, por uma restauração religiosa: por uma restauração do cristianismo. A Rússia acredita que ela é a responsável pela restauração espiritual do mundo, sendo a igreja ortodoxa russa o maior símbolo dessa religiosidade.

Segundo os intelectuais russos, principalmente Aleksandr Dugin, o cristianismo vivido pelo ocidente foi corrompido pelos ideais americanos, corrompidos pelo “imperialismo americano”. Dentro desse contexto, se dá a expansão e o domínio do novo “império” russo, chamado de “eurasiano”, que busca “restaurar” o mundo, utilizando seus próprios padrões.

O movimento eurasiano, como exposto pelo próprio Dugin, seu maior representante na atualidade, é muito mais do que um “simples” projeto de dominação global, alcançado pela ação militar. O projeto eurasiano é uma cosmovisão, uma nova visão de mundo, que tem a pretensão de mudar, e moldar, toda a realidade do mundo segundo os seus próprios princípios e interesses e, para isso, usarão de todos os meios possíveis para a construção dessa nova realidade: uma nova realidade segundo os padrões eurasianos.

Uma cosmovisão é composta por toda uma visão de mundo e da realidade e, para isso, é preciso que ela englobe todas as áreas, incluindo a filosofia e a religião, abrangendo toda a metafísica, o que, segundo o ponto de vista eurasiano, estão corrompidas no ocidente. Como já foi citado, para o eurasianismo, ambos foram corrompidos pelo “imperialismo americano”, de maneira que precisam ser trocados, ou “restaurados”, por um novo ponto de vista: o ponto de vista russo/eurasiano.

A Rússia tem planos para mudar o mundo, planos que visam conquistar o mundo por todos os meios possíveis.

Diante de nosso contexto atual, mesmo que a Rússia não realize todos os seus planos de dominação e transformação mundial, uma coisa é certa: a Rússia, mais uma vez, mudou o mundo.

O conflito entre Rússia e Ucrânia mudou todo o sistema mundial, desestabilizando todo o jogo no tabuleiro geopolítico mundial, trazendo consequências para todo o globo.

Agora, acreditar que o movimento eurasiano trará um novo mundo de paz, aliado à uma religião “pura”, não “contaminada” pelos princípios e padrões americanos, que ele trará a restauração moral e dos princípios cristãos para o mundo, é, no mínimo, esperar demais, é acreditar no impossível, – ainda mais se levarmos em conta o histórico russo -. Mas isso não irá impedi-los de tentar.

 

 

*Wanderson R. Monteiro; Formado em Teologia, Coautor de 4 livros, e vencedor de três prémios literários.

(dudu.slimpac2017@hotmail.com) –  (São Sebastião do Anta – MG)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui