‘Vamos incrementar a retomada da economia, atração de investimentos e geração de empregos’, afirma Riedel

0

Taxa de desocupação em Mato Grosso do Sul é a terceira menor do país e a mais baixa em 6 anos

As ações do Governo do Estado para a retomada da economia, atração de investimentos e geração de empregos fez com que a taxa de desocupação em Mato Grosso do Sul recuasse ao longo do ano passado e fechasse o quarto trimestre de 2021 como a terceira menor do país, de acordo com a PNADC (Pesquisa de Amostra de Domicílios Contínua) divulgada nesta quinta-feira (24) pelo IBGE.

Conforme Nota Técnica da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura familiar), a Taxa de Desocupação em Mato Grosso do Sul caiu de 9,3% no período de janeiro a março de 2021 para 6,35% de outubro a dezembro do ano passado, recuo de 2,95 pontos percentuais. É a menor taxa de desocupação registrada no quarto trimestre, desde o ano de 2015.

Para o pré-candidato ao governo do Estado – e secretário de Infraestrutura – Eduardo Riedel, Mato Grosso do Sul deve incrementar as “ações de retomada da economia, atração de investimentos e geração de empregos” nos próximos anos. “É importante mantermos o foco em ações que privilegiem a responsabilidade administrativa ao mesmo tem que intensifiquem o crescimento do Estado e o bem estar das pessoas”, afirmou.

A queda na taxa de desocupação decorre da disponibilidade de emprego em Mato Grosso do Sul. Sistematicamente as análises apontam o agro, a indústria e outros setores contratando, o que desembocou em melhoria na taxa de desocupação.

Além disso, os índices da PNADC também apontam caminhos para políticas de qualificação profissional e recolocação no mercado de trabalho. “Observamos pela taxa de desocupação que essa situação abrange mais aquelas pessoas com menor escolaridade e qualificação. Para a melhoria dessa taxa, temos de investir em qualificação profissional, fomentando ações do setor produtivo, como o Senai, Senac, Senar, para melhorar a oferta e ocupar mais vagas de trabalho. Assim, vamos ter uma melhor taxa de empregabilidade e melhor taxa de emprego”, disse o secretário Jaime Verruck.

Taxa de desocupação nacional também recuou

Em termos de Brasil, a taxa de desocupação no 4° trimestre de 2021 foi de 11,1%, caindo 1,5 ponto percentual em relação ao trimestre de julho a setembro de 2021 (12,6%) e 3,0 pontos percentuais frente ao mesmo trimestre de 2020 (14,2%). Já a taxa média anual caiu de 13,8% em 2020 para 13,2% em 2021.

Ante o trimestre anterior, a taxa de desocupação recuou em 15 unidades da federação, com estabilidade nas demais. As maiores quedas foram em Alagoas (2,6 p. p.) e Sergipe (2,5 ponto percentual). As maiores taxas de desocupação foram as do Amapá (17,5%), Bahia (17,3%), Pernambuco (17,1%) e as menores, de Santa Catarina (4,3%), Mato Grosso (5,9%) e Mato Grosso do Sul (6,35%).

No quarto trimestre de 2021, a força de trabalho em Mato Grosso do Sul chegou a 1,435 milhão, sendo 1,343 milhão de ocupados (empregados) e 92 mil trabalhadores desocupados (sem emprego). Com relação aos setores, os que mais contrataram em relação ao mesmo trimestre do ano de 2020 foram: Alojamento e Alimentação (37,04%), Transporte e armazenagem (32,65%) e Indústria em geral (31,30%).

Já os setores que mais demitiram foram: Agropecuária (9,9%) e Administração pública (2,99%). Em geral, no fechamento de 2021 as contrações foram de 9,63% a mais que no mesmo trimestre de 2020, gerando 118 mil novas vagas 1343 ocupados contra 1225 ocupados no mesmo trimestre em 2020.

Artigo anteriorFort Atacadista inaugura nova loja na capital na próxima quarta (2)
Próximo artigoCarnaval: CCR MSVia reforça ações de segurança viária na BR-163/MS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui