Tráfico: Polícia Federal mira quadrilha ‘Cabeça Branca’ que movimentou R$ 4 bilhões

0

Duas operações foram deflagradas simultaneamente com alvos em Mato Grosso do Sul

Quadrilha Cabeça Branca que movimentou R$ 4 bilhões é alvo da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul. As operações Sucessão e Fluxo Capital, foram deflagradas nesta quinta-feira (3), com o objetivo de desarticular organização criminosa que atua com a lavagem de dinheiro do tráfico de drogas, entre outros crimes.

 

Durante as investigações apurou-se movimentação financeira na ordem de R$ 4 bilhões pelas empresas controladas direta ou indiretamente por apenas um dos investigados. Foram apreendidos aproximadamente R$ 12 milhões em espécie no curso das investigações. O controle da movimentação do dinheiro era feito por doleiros, donos de casas de câmbio, instalados no Paraguai.

 

Operação Sucessão é um desdobramento da Operação Spectrum, que resultou na prisão de um traficante, investigado pelo forte envolvimento com grandes esquemas de tráfico de drogas no Brasil. Na fase de hoje, foram cumpridas medidas judiciais em desfavor de familiares do traficante que o auxiliaram na lavagem do dinheiro de origem ilícita.

 

A operação Fluxo Capital  tem por objetivo desmantelar organização criminosa responsável pela lavagem do dinheiro por meio de movimentações milionárias, com a utilização de “laranjas”, empresas de fachada e contadores. As investigações demonstraram que o grupo não se limitava à lavagem do dinheiro do traficante investigado na Operação Spectrum. A organização também mantinha relação com diversas outras organizações criminosas atuantes em território nacional, envolvidas em outros delitos além do tráfico de drogas.

 

Mandados 

Policiais foram às ruas para cumprir 39 mandados de busca e apreensão e 19 mandados de prisão temporária, em seis Estados da Federação, além do cumprimento de 7 mandados de busca e apreensão no Paraguai.

 

Conforme a Polícia Federal, também foram deferidos o sequestro de imóveis, bloqueio de valores em contas bancárias, a suspensão das atividades das empresas envolvidas e das licenças profissionais (CRC) dos Contadores investigados.

 

Após o compartilhamento de informações com a SENAD (Secretaria Nacional Antidrogas e com a Fiscalia)  Ministério Público do Paraguai, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em território paraguaio.

 

Nome 

Os nomes das operações fazem alusão, respectivamente, ao fato de os alvos serem familiares do traficante “Cabeça Branca” e à vultosa quantia de dinheiro movimentada pela organização criminosa.

Fonte: Capital News

Artigo anteriorCom reféns no interior, caminhonete roubada capota em fuga da PM em Guaíra
Próximo artigoDólar interrompe quedas e fecha praticamente estável

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui