Acima do Muro, por Jandaia Caetano

0

“Graças a Deus, eu perco sempre o juízo, meu paraíso é a palavra” (Belchior)

Voltamos com a nossa coluna Acima do Muro, como propósito de fazê-la semanalmente. Nunca em cima do muro (só às vezes kkk), mas sempre Acima do Muro, como uma sentinela. Por que deste ângulo, a visão não fica corrompida.

Triângulo (nada) amoroso

Rose Modesto deve se filiar ao União Brasil e se candidatar ao Governo do Estado de MS (foto: Folha de Campo Grande)

A possibilidade de Marquinhos Trad (PSD), Eduardo Riedel (PSDB) e Rose Modesto (PSDB) estar no mesmo palanque em 2022 é cada vez mais remota. O fato de Rose ter sido ‘convencida’ pelos tucanos a não ser adversária de Marquinhos nas eleições de 2020 de nada adiantou. A ação foi um tiro no escuro do PSDB e que não acertou ninguém: Marquinhos é pré-candidato a governador.

Acabou a paz

Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, terá que deixar o cargo para se candidatar (foto: O Jacaré)

A situação deve esquentar e material encaminhado pela Folha MS mostra que críticas mais ácidas devem ser endereçadas a administração de Marquinhos na Capital. Ataques a sua gestão na Saúde mostram que acabou a paz. Tudo pode ser ‘remediado’ até a decisão definitiva de descompatibilização do prefeito. Pode! Como não pode!!

A força do recall

Ex-governador André Puccinelli (MDB) se diz candidatíssimo ao governo estadual (foto: Elza Fiuza/JC)

As últimas pesquisas apontam bons números para o ex-governadores do estado, Zeca do PT e André Puccinelli (MDB). Natural para quem comandou Mato Grosso do Sul por oito anos cada. Marquinhos e Rose também são bem avaliados. A ex-vice-governadora, e deputada federal, inclusive, deve rumar para o Aliança Brasil para estruturar sua candidatura ao governo.

A força do interior

Secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel, é o nome do governo para a disputa (foto: Edenir Rodrigues/Secom)

Já os tucanos acreditam na força do interior para alavancar Eduardo Riedel. O PSDB conta com 35 prefeitos e 15 vice-prefeitos. Com este peso – e muita obra do governo Reinaldo Azambuja -, os tucanos esperam crescimento do seu pré-candidato e uma vaga no segundo turno. Desafio imenso.

MS: a terra dos vices

A senadora Simone Tebet está de olho na disputa presidencial (foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Mato Grosso do Sul parece estar ‘iluminado’ para compor uma chapa presidencial nas próximas eleições. A senadora Simone Tebet (MDB) é pré-candidata a presidente, mas está sendo namorada por João Dória (PSDB) e Sérgio Moro (Podemos) para a vaga de vice. Como a aliança do Podemos com o União Brasil parece mais encaminhada, quem surge bem é o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta para a vice do juiz.

 MS: a terra dos vices II

A ‘duradoura’ ministra Tereza Cristina pode fazer dobradinha com o presidente Bolsonaro (foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Ao contrário de Simone e Mandetta – em situação eleitoral difícil no estado – a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, já havia anunciado a sua pré-candidatura para o Senado Federal. Porém, seu nome vem sido ventilado como uma boa opção (e é) para a vice do presidente Jair Bolsonaro (PL). Uma migração do Dem (futuro União Brasil) para o PP ou Republicanos é cogitada.

Medo

Só falta convencer o presidente da República. Com suas paranoias – a história mostra que não são tão paranoias assim – de golpes, já se ‘encrespou’ com o atual vice Hamilton Mourão (PRTB) e tem medo de colocar um político do Centrão de vice. Cogita um militar. Cogita manter Mourão (que acabou de contrariar o presidente e defender vacinação contra a covid-19 para crianças). “O medo de perder tira a vontade de ganhar”, já dizia o técnico de futebol Vanderlei Luxemburgo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui