Seca: Lavouras da região sul estão com perdas consolidadas

0

Mato Grosso do sul está enfrentando chuvas da média histórica

Primeiras estimativas apontava que Mato Grosso do Sul pudesse atingir produtividade de até 58 sc/ha, o que novamente seria uma safra recorde considerando ainda a área plantada que é a maior da história (com 3,8 milhões de hectares), mas atualmente o setor trabalha com a probabilidade de quebra devido à estiagem e busca apoio do Governo Federal para reduzir os impactos junto ao setor produtivo e na economia.

 

Conforme o secretário Jaime Verruck, da Semagro, os técnicos estão a campo para fazer um estudo, mas o que se sabe até o momento é que em lavouras da região Sul (onde estão concentradas 65% da área plantada com soja) as perdas estão consolidadas.

 

De acordo com a Semagro, o Monitor de Seca da ANA (Agência Nacional de Água) indica que todos os municípios de Mato Grosso do Sul estão enfrentando seca de moderada a extrema e as chuvas estão entre 40% a 50% abaixo da média histórica e a tendência é essa situação perdurar até março.

 

Situação de Emergência 

Após reunir-se com as diretorias da Famasul e Aprosoja, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), decretou situação de emergência nas 79 cidades do Estado, em função da seca e estiagem.

 

“Desde o mês de dezembro, estamos monitorando a questão da estiagem e seca prolongada em Mato Grosso do Sul. Estamos com volume de chuvas muito pequenas, que trazem grandes problemas em todo Estado, por isso decretamos a situação de emergência”, explicou o governador.

 

A situação de emergência pelo prazo de 180 dias autoriza a Administração Direta e as entidades (indiretas) do Poder Executivo a destinar recursos humanos, financeiros e materiais, assim como veículos e equipamentos para auxílios em abastecimento de água para consumo humano e aos animais.

 

Conforme o Governo do Estado, o decreto ainda autoriza a mobilização de todos os órgãos estaduais para atuarem sob a coordenação da Defesa Civil, nas ações para conter este cenário de seca. Também se concede aval para convocar voluntários para reforçar as ações de resposta aos desastres, assim como promover campanhas de arrecadação de recursos.

 

Neste período ficam dispensados de licitações os contratos para aquisição de bens necessários para realizar tais atividades em resposta a este cenário, assim como prestação de serviços e de obras relacionadas a esta situação, no prazo máximo de 180 dias.

 

Decreto foi publicado nesta terça-feira (4) no Diário Oficial do Estado (DOE) entra em vigor na data da sua publicação.

Fonte/ Capital News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui