A importância da educação em momentos de crise

0

Os impactos da crise no país, causada pela pandemia de covid-19, estão nítidos depois de mais de um ano e, por motivos óbvios, as pastas de Saúde e Economia estiveram nos holofotes desde o seu início. De um lado, a crise sanitária causada pelo enfrentamento de uma doença ainda desconhecida e altamente contagiosa e, de outro, a reação da economia, com a implementação de restrições de circulação, que limitam o acesso a bens de consumo, além da administração de uma taxa de desemprego histórica.

A educação, que não teve tanto foco como as outras pastas, também foi diretamente impactada por essa crise. De acordo com estudo da Unicef (Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas pela Infância), divulgado no último mês de janeiro, 1,38 milhões de alunos brasileiros entre 6 e 17 anos abandonaram suas instituições de ensino no decorrer da pandemia.

O ensino a distância, o qual já crescia em diversos setores, se tornou uma alternativa para não prejudicar o calendário escolar e, ao mesmo tempo, garantir a segurança dos alunos, professores e profissionais da educação em geral. No entanto, apesar de ter sido uma medida evidentemente necessária, é imprescindível discutir o impacto do ensino remoto.

O aumento do acesso à internet dos estudantes brasileiros – de 86,6% em 2018 para 88,1% em 2019, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (Pnad) – não é suficiente para afirmar que a educação está mais acessível. Democratizar o ensino a distância é prover, digitalmente, uma variedade de experiências e soluções que vão muito além da disponibilização do conteúdo digital.

A saúde mental dos estudantes é um tema, por exemplo, que não pode ser desconsiderado. Um estudo recente realizado por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) analisou autorrelatos de estudantes entre 13 e 20 anos, do 9º ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio de 21 escolas públicas das periferias de São Paulo e Guarulhos. O estudo, que pode ser considerado um indicativo importante para avaliar a educação pública remota no Brasil, revelou que 10,5% dos alunos apresentaram sintomas depressivos graves e 47,5% com sintomas ansiosos graves. A pesquisa evidenciou também que as prevalências dos sintomas aumentaram significativamente durante a pandemia.

Com tantas variáveis a serem consideradas e resolvidas para que haja um ensino de qualidade a distância, a solução para a democratização do acesso a um ensino de qualidade, digital e acessível é usar tecnologia de forma inteligente. Ambiente de estudo inadequado, barulho, interrupções e internet de baixa qualidade são as maiores reclamações de quem precisa atravessar o ano letivo e, de olho nessas oportunidades de problema para resolver, as edtechs – empresas de educação com base tecnológica – estão surgindo para acompanhar as mudanças da sociedade.

De acordo com o mapeamento da Associação Brasileira de Startups (Abstartups) de 2020, o número de edtechs cresceu 26,1% em apenas um ano. Algumas oferecem soluções auxiliando alunos com dificuldades, outras disponibilizam ferramentas com inteligência artificial para tornar os estudos mais assertivos, oferecem conteúdos de fácil assimilação para complementar o ensino regular e até ajudam alunos que sonham ingressar em uma universidade.

Mesmo com tantas opções presentes no ecossistema das edtechs, o ensino a distância é desafiador e há muito caminho a percorrer. A educação infantil, por exemplo, necessita muito mais do que absorção de conteúdo – é preciso interação, contato, afeto e empatia para a formação intelectual do indivíduo. No entanto, é equivocado pensar que, quando pudermos voltar a circular por aí normalmente, as empresas inovadoras que estão lutando para revolucionar o setor educacional serão descartadas. Não há mais a possibilidade do divórcio no casamento entre educação e tecnologia.

(*) Caio Moretti é empreendedor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui