Em prévia da Libertadores, São Paulo e Palmeiras empatam com polêmica no fim

0
Pênalti anulado pelo VAR em São Paulo x Palmeiras (Foto: Marcos Ribolli)

Choque-Rei movimentado tem pênalti e dois gols anulados do Tricolor, um deles nos minutos finais após o VAR; Verdão segue líder, e rival sai do Z-4 do Brasileirão

  • Já é Libertadores?

    São Paulo e Palmeiras não saíram do 0 a 0 na noite deste sábado, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, em um jogo que teve polêmica nos minutos finais: após consulta ao VAR, o possível gol da vitória tricolor foi anulado por impedimento e participação de Miranda no lance do gol. Num jogo morno em vários momentos, o final teve tensão digna dos dois duelos que os rivais farão pelas quartas de final da Libertadores, nos dias 10 e 17 de agosto. Além da polêmica no fim, o duelo teve alguma emoção, com outro gol e pênalti anulados para o São Paulo, chances de gol e até pipas no gramado. No total, Palmeiras e São Paulo vão chegar a sete clássicos na temporada – um recorde do Choque-Rei.

    Como fica?

  • O empate leva o Palmeiras aos 32 pontos, ainda líder, mas com o Atlético-MG podendo se aproximar se vencer o Athletico-PR no domingo. Já o São Paulo vai a 12 e dorme fora da zona de rebaixamento, mas pode ser ultrapassado por Sport e América-MG até o fim da rodada.

  • Central do Apito

    O VAR atuou no lance capital do jogo, em gol contra de Gustavo Gómez aos 43 do segundo tempo. O árbitro Luiz Flávio de Oliveira foi ao vídeo e anulou o gol porque entendeu que Miranda, impedido, interferiu na jogada ao atrapalhar Patrick de Paula. O comentarista Salvio Spinola concordou com a decisão: “Mesmo não tocando na bola, ele disputa com o adversário. A regra fala em tocar na bola ou disputar com o adversário. Olhando essa imagem agora, gol corretamente anulado”. Além disso, o VAR atuou num pênalti de Gómez em Marquinhos – Luiz Flávio também anulou após consulta ao vídeo.

  • Sequência interrompida

    O Palmeiras perdeu a chance de chegar a oito vitórias seguidas no Brasileirão, igualando uma sequência de 1993, ano de título alviverde. O time de Abel Ferreira tinha sete triunfos consecutivos, que ajudaram na caminhada rumo à liderança, até o empate no Morumbi.

    Primeiro tempo

  • O jogo foi marcado pelo equilíbrio e por duelos táticos interessantes. O São Paulo começou melhor, com velocidade e buscando o jogo em cima de Marquinhos, pelo lado esquerdo do ataque e em cima de Felipe Melo e Marcos Rocha – por ali, o atacante recebeu livre na primeira boa chance, mas chutou errado. O Palmeiras teve dificuldades na saída, mas assustou num chute por cobertura de Deyverson que surpreendeu Tiago Volpi. Num duelo com poucos espaços, bolas mais longas fizeram a diferença – aos 25 minutos, Rodrigo Nestor conseguiu encontrar Rigoni livre na área para finalizar e fazer o gol, que seria anulado por impedimento. O Tricolor teve mais volume no geral, com Rigoni bem e sendo o principal articulador. Marquinhos, sempre incomodando os zagueiros, quase foi premiado ao aproveitar falha de Felipe Melo e cair após disputa com Gustavo Gómez: o árbitro Luiz Flávio de Oliveira marcou pênalti, mas anulou a decisão após consulta ao VAR. O equilíbrio ficou marcado nas finalizações: foram cinco para cada lado.

  • Segundo tempo

    O Palmeiras melhorou com as entradas de Gabriel Veron e Breno Lopes, conseguindo aumentar a velocidade no ataque e incomodar os zagueiros são-paulinos. O Tricolor, por sua vez, perdeu poder no setor quando Marquinhos deixou o jogo com dores na coxa, já que Rojas não manteve o nível. Depois de algumas chances trocadas dos dois lados, o São Paulo se viu perto da vitória quando Reinaldo cobrou falta, e Gustavo Gómez desviou contra as próprias redes. O VAR, porém, atuou ao detectar impedimento de Miranda. O árbitro viu participação dele no lance e anulou o gol, gerando revolta são-paulina e alívio palmeirense.

    Fonte: Globo Esporte

Artigo anteriorBragantino bate Grêmio no Nabi Abi Chedid e se mantém no G-4 do Brasileirão
Próximo artigoDia 2 de agosto, a data com retorno total de atividades e do “novo normal” de MS Servidores do Judiciário, Legislativo, do Estado e rede estadual de ensino completam retorno presencial

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui