Sterling craque, França decepção e mais: veja seleção e destaques da Eurocopa segundo a Rede Globo

0
Sterling comemora classificação da Inglaterra para a final da Eurocopa — Foto: Carl Recine/Reuters

Eurocopa 2020 chegou ao fim no último domingo, com a vitória nos pênaltis da Itália sobre a Inglaterra, em Wembley. Um mês e 51 partidas após o início, muitos jogadores e equipes se destacaram positiva e negativamente.

 A campeã tem cinco representantes na seleção.

Dinamarca vence a República Tcheca e se classifica para as semifinais da Eurocopa-2020 — Foto: Reuters

O grande destaque individual da Euro 2020 foi Raheem Sterling, da Inglaterra. Por isso, foi o escolhido em duas categorias: o craque e o jogador mais decisivo da competição. O atacante marcou três gols e deu três assistências. Foi o jogador que mais driblou na competição, deixando seus adversários para trás em 34 oportunidades. Sterling também teve importância para sua seleção sofrendo o pênalti que gerou o gol que classificou os ingleses para a final.

Eleito pela Uefa o craque da competição e decisivo para a Itália na fase mata-mata, principalmente na grande final, defendendo duas cobranças de pênaltis, Donnarumma foi o escolhido para o gol. A linha de defesa começa com Walker, que levou a melhor numa lateral-direita sem grandes unanimidades. A zaga teve Chiellini e Maguire, que levou a melhor por pouco sobre o italiano Bonucci. Lesionado nas quartas de final, Spinazzola conseguiu se garantir na seleção na lateral-esquerda.

O meio campo tem mais recuado o brasileiro naturalizado italiano Jorginho, que conquistou a Eurocopa com a Itália pouco mais de um mês depois de faturar a Liga dos Campeões com o Chelsea. Pogba, eliminado com a França nas oitavas de final, teve tempo de mostrar futebol suficiente para entrar no time ideal. Pedri, da Espanha, o jogador que teve maior distância percorrida por jogo e entrou para a história como o mais jovem da história da Fúria em Euros, fecha a faixa central.

Assim como a defesa, o ataque foi formado apenas por jogadores finalistas da competição. Craque e jogador mais decisivo, Sterling não poderia ficar de fora. Harry Kane, com quatro gols marcados, todos no mata-mata, é a referência ofensiva da seleção da Euro. O campeão Lorenzo Insigne, é o escolhido para a ponta esquerda, posição em que ele marcou dois gols pela Itália na competição.
Donnarumma foi eleito pela Uefa o melhor jogador da Euro 2020 e está na seleção do Grupo Globo — Foto: Reuters

Melhor treinador – Roberto Mancini

O comandante da campeã Itália foi o escolhido como o melhor treinador desta edição da Eurocopa. O italiano de 56 anos de idade fez a Azzurra apresentar um bom futebol e conseguir resultados expressivos. Além do título da Euro, o técnico e a seleção da Terra da Bota quebraram recordes de invencibilidade durante a competição. No momento, a Itália está invicta há 34 jogos sob o comando de Roberto Mancini.

Momento mais marcante – Eriksen

O jogador foi retirado do campo de jogo, levado ao hospital e já se recupera. Durante a Eurocopa, muitas homenagens foram feitas ao meia da Inter de Milão. Na segunda partida da Dinamarca, aos dez minutos, a partida foi interrompida e torcedores, jogadores das duas equipes e até o trio de arbitragem se uniram, todos aplaudindo o meia dinamarquês por quase um minuto. Na arquibancada, foi estendida uma faixa: “Toda a Dinamarca está com você, Christian”.

Eriksen cai desacordado durante Dinamarca x Finlândia — Foto: REUTERS/Jonathan Nackstrand

Maior decepção – França

A maior decepção poderia ser uma equipe ou um jogador. A escolhida foi a França, campeã da Copa do Mundo da Rússia, em 2018, que acabou eliminada nas oitavas de final da Eurocopa, perdendo para a Suíça nos pênaltis. A equipe comandada por Didier Deschamps era uma das grandes favoritas e teve quatro partidas com apenas uma vitória e três empates na competição.

França se despede da Eurocopa-2020 com a eliminação nas oitavas de final, para a Suíça — Foto: Reuters

Maior surpresa – Dinamarca

Presente no momento mais marcante da Eurocopa, a Dinamarca foi também, por acaso, ou não, a maior surpresa da competição. A seleção treinada por Kasper Hjulmand, que perdeu seu principal jogador na primeira partida, conseguiu uma campanha histórica, chegando à semifinal e sendo derrotada pela Inglaterra na prorrogação. Ao todo, foram três vitórias e três derrotas dinamarquesas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui