Sem baixar a guarda: Covid-19 tem queda significativa em Mato Grosso do Sul

0
Comércio no centro de Campo Grande

Durante a live desta segunda-feira (21) o secretário de saúde, Geraldo Resende, relatou que “temos alguns sinais de que a doença começa a ter um decréscimo significativo em Mato Grosso do Sul. Isso não é para baixar a guarda. Isso é fruto de diversas ações do Estado e dos municípios, entre elas a imunização”. Ou seja, a celeridade na imunização e as ações do Governo do Estado em parceria com os municípios no enfrentamento a Covid-19 em Mato Grosso do Sul dão indícios de melhora no cenário pandêmico.

Os dados que mostram essa queda significativa da pandemia no Estado são referentes ao período de 13 a 19 de junho, de acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES). “Os números já indicam um decréscimo da doença. Entre a semana 23 e 24 houve um decréscimo de mais de 2 mil casos da evolução da média móvel. Temos também um decréscimo de casos diários dos últimos 21 dias. Temos um decréscimo das internações  hospitalares, principalmente nos municípios do interior. Até a fila de espera por um leito, temos uma ligeira queda. A longa fila de espera persiste em Campo Grande com 104, sendo 96 da capital. A taxa de contágio também começa a decrescer. De 1,06 foi para 1,04”, pontuou Resende.

Atualização
Conforme a SES, em 24 horas foram registrados  606 novas infecções e 21 mortes. Em média, 44,3 pacientes morreram por dia na última semana. O acumulado de mortes pela doença desde março de 2020 já chega a 7.826. A taxa de letalidade está em 2,4% em Mato Grosso do Sul.

Em relação aos internados são 1.076, sendo 529 em leitos clínicos e 547 nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI). A fila de espera por um leito conta com 113 pessoas. Sendo, 104 na Central de Regulação de Campo Grande, 2 na de Dourados e 7 na Central do Estado.

Ao todo o Estado soma  324.299 casos positivos, 7.826 mortes,  6.793 casos sem encerramento pelos municípios, 3.469 amostras em análise pelo Lacen e laboratórios parceiros e 301.287 recuperados.

Prosseguir
Por causa da superlotação nos hospitais, que registram taxa de ocupação global de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Sistema Único de Saúde (SUS) acima dos 90% nas quatro macrorregiões de saúde do Estado (Campo Grande, Dourados, Corumbá e Três Lagoas), o Prosseguir decidiu subir os municípios de bandeira para um nível de coloração acima do vigente. Com a nova atualização Mato Grosso do Sul tem 43 subiram para a bandeira cinza (grau de risco extremo), incluindo a Campo Grande, sete cidades estão classificadas na bandeira laranja (grau de risco médio), 29 foram colocadas na bandeira vermelha (grau de risco alto). A Secretaria de Estado de Saúde (SES) prorrogou o início das medidas restritivas que entraram em vigor no próximo domingo (13)  e seguem até esta quarta-feira (23).

 

 

 

Fonte: CapitalNews

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui