Fundação de Turismo de MS assina termo para estudo inédito no país

0
Momento da assinatura pelos diretores (Foto: Divulgação) 

Demonstrar as interligações setoriais, geração de emprego, renda, tributos e as demandas do turismo de Mato Grosso do Sul, evidenciando oportunidades de negócios, simulações de impactos e a mensuração de perdas do segmento durante a pandemia. Esses são alguns dos objetivos do termo de colaboração entre a Fundação de Turismo do Mato Grosso do Sul (FundTur) e o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio (IPF MS), assinado nesta sexta-feira (26). Esse estudo com toda metodologia e proposta é inédito no País.

Participaram da assinatura o presidente do Sistema Fecomércio, Edison Araújo, diretor-presidente da FundTur, Bruno Wendling, e a economista do IPF MS, Daniela Dias, juntamente com a superintendente da Fecomércio Valmira Carvalho, e o diretor regional do Senac no estado, Vitor Mello.

 “Temos mais de 50 atividades econômicas relacionadas ao turismo conforme informações da Confederação Nacional do Comércio (CNC)”, afirma Edison Araújo. “Em MS, essas atividades são responsáveis por mais de 4 mil estabelecimentos e 20 mil empregos. Logo, se faz urgente detalhar esse setor, levantar dados estatísticos e produzir relatórios voltados à elaboração da matriz insumo-produto para alavancar esse segmento, ainda mais neste momento de pandemia e auxiliar o empresário na tomada de decisões com dados”.

O diretor-presidente Bruno Wendling afirma que, estudos apontam que as quedas no faturamento do setor foram mais de 70% só no ano passado. “Foi um dos que mais sentiram os reflexos negativos da Covid-19, com a suspensão das atividades e em meio ao distanciamento social. Com o início da vacinação, iniciamos o momento de pós pandemia e precisamos ter as ferramentas e conhecer os insumos corretamente para uma recuperação mais acelerada”, afirma Bruno.

“Entender o encadeamento das atividades turísticas, como elas se comportam, seus impactos diretos e indiretos, informação qualificada para atração de novos investimentos são fundamentais para alavancar o setor”.

Para a economista do IPF MS, Daniela Dias, que vai conduzir os trabalhos, identificar e definir a importância da matriz insumo-produto (MIP), tal qual especifica o convênio como muito importante. “Em meio a esse processo de retomada do turismo, a MIP se demonstra como uma importante ferramenta, por meio do auxílio a tomadas de decisões, descobertas de potencialidades e na simulação de impactos de medidas pleiteadas ou a serem pleiteadas.”

O resultado será disponibilizado pela Fundtur. Os trabalhos serão iniciados imediatamente e têm prazo para finalização de 12 meses.

Texto – Infinito Comunicação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui