Uma vitória arrasadora sobre dois gigantes, os Cavalcantes e o até então “imbatível” Amaducci

0
A história iniciou-se em 2015, quando Valdomiro Sobrinho lançou-se candidato. Um homem público e do povo, porém, uma “incógnita política” por sua personalidade maluca.
Radialista, Sobrinho sempre trabalhou com os meios sociais, ajudando necessitados e os que lhe procuravam na rádio Pantanal FM.
Em 2015, o homem lança a candidatura contra dois respeitados políticos do município, o presidente da câmara Marcelo Ally, e o vice-prefeito Nivaldo Marques.
Em toda campanha Sobrinho sofreu ataques dos adversários falando de sua vida pessoal, mas ao fim, surpreendeu Mundo Novo e região “massacrando” os adversários com uma gigantesca vitória por 1.646 votos, um recorde do município.
Alguns votaram como voto de protesto no homem, outros, como a grande esperança para Mundo Novo.
A grande reeleição contra dois ex-prefeitos
Durante pouco mais de três anos Valdomiro esteve a frente da prefeitura de Mundo Novo com o apoio do grupo do MDB, comandado por Antônio Cavalcante.
No início de 2020, o grupo da direita se racha, e a esquerda de Amaducci se fortalece.
Muita incógnita surgiu a partir daí, onde após conversas que o prefeito Valdomiro abriria mão de Rosaria Lucca para ter Antônio Cavalcante como vice-prefeito e não enfraquecer o grupo.
Isso não aconteceu, e Valdomiro Sobrinho segurou a vice, entretanto o grupo da direita se racha e muitas pessoas acabam indo com Toninho na cabeça, que lança oficialmente sua candidatura após seu filho e atual vereador não decolar.
A partir desse momento cria-se uma incógnita. E agora? Quem ganha? O PT de Amaducci (três vezes prefeito) leva mais uma vez? Toninho vai se fortalecer? Valdomiro vai ter força pra continuar? E agora…
Toninho, duas vezes vereador e uma vez prefeito se junta ao professor Vavá, atual vereador e opositor de Valdomiro. O grupo MDB e PSD cria corpo e cresce.
Durante a campanha as brigas políticas surgiram, onde os três grupos sempre se mostravam confiantes. Valdomiro com “a máquina” na mão se junta ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB), e cresce.
Humberto (PT) até então, tinha o grupo vermelho da esquerda unido, e confiava que a força da militância petista ganharia pela quarta vez com ele na linha de frente.
Antônio Cavalcante, o Toninho (MDB) apresentava-se como o “novo”, pois juntou-se a Vavá, e outras lideranças políticas da região como Vanderlei Bispo, Chico City, Paulão, Orandir Ribeiro, seu próprio filho e atual vereador Pinduca, entre outros…
Durante a campanha todos grupos realizaram caminhadas, porém apenas Sobrinho fez comício presencial, indo contrário aquilo que seu grupo pediu, mas Valdomiro sempre falando que a sua força era a do palco, e a presença com o povo. Ao fim, o prefeito foi ao palanque e provou estar certo.
Humberto utilizava a força da militância e dos pés no chão, com sua botina amarela, indo de casa em casa. Em momentos Amaducci utilizou a fundação hospitalar e outras obras suas como argumento, mas, sem êxito, não adentrando a mente da população, e não alavancando, pois o grupo vermelho se encontrava com um grande desgaste, tanto a nível municipal, quanto estadual.
O Partido dos Trabalhadores em todo MS não fez nenhum prefeito, provando o desgaste.
Cavalcante com seu grupo buscou forças e tentou emplacar, onde ao fim da campanha em pesquisa divulgada se mostrou a frente. O grupo MDBista com grande capital e força, tentou articular politicamente, onde não foi para as ruas fazer comício presencial, apenas virtual e fazendo reuniões.
Ao fim, na última semana, os três grupos falavam que venceriam, mas o resultado final veio surpreendentemente com uma avassaladora vitória dos tucanos Valdomiro e Rosária.
Valdomiro em seus quatro primeiros anos, segundo a população, surpreendeu com o bom trabalho e foi reeleito. O homem do microfone mostrou a força do trabalho e fidelidade a Rosária como vice, mesmo correndo risco de perder a eleição.
Para muitos, Sobrinho fez a “loucura” em deixar os Cavalcantes irem e assim rachar. Para o prefeito, ele fez a escolha certa, tendo que ser grato e fiel a mulher que esteve ao seu lado na prefeitura.
Números finais e vitória histórica
Os números finais mostraram o resultado. Novamente com mais de 1.600 votos, Valdomiro entra pra história ao derrotar dois gigantes ex-prefeitos e Demilson (PSOL).
O homem das roupas coloridas se reelege fazendo 4.377 votos, surpreendendo todos com a diferença de 1.643 pro segundo colocado Toninho Cavalcante, e 1.663 para Humberto Amaducci.
Pela primeira vez na história Humberto é derrotado. Toninho mesmo com sua articulação política não conseguiu deslanchar, e ficou longe do prefeito Valdomiro, mas com uma diferença de 20 votos a frente de Amaducci.
Valdomiro “amassa” novamente, e grava seu nome na história, além de provar sua força, após ir contrario ao sistema político antigo, e abraçando o povo.
Pra muitos, “O homem é bom, o homem é espetacular”, para outros, é um “maluco fanfarrão”. Oque é certo, é que o homem do povo fez história, escreveu o seu nome para sempre na história de Mundo Novo e continuará no poder.
Bruno Brischiliari, 17 de Novembro de 2020

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui