MS terá perda de R$ 42 milhões com extinção de cinco municípios

0
Presidente da Assomasul e prefeitos dos 5 municípios em risco estiveram com a senadora Soraya em Brasília (Divulgação)

Mato Grosso do Sul poderá perder mais de R$ 42 milhões de FPM ( Fundo de Participação dos Municípios) com a possível extinção de cinco municípios como parte da PEC do Pacto Federativo (188/2019). Estudo apresentado pela CNM (Confederação Nacional de Municípios) indica que nos municípios ameaçados de extinção no País as perdas superam os R$ 7 bilhões.

O levantamento foi apresentado no início deste mês a deputados e senadores após a mobilização municipalista que reuniu mais de 800 gestores, contra a extinção de municípios no Congresso Nacional, inclusive o presidente da Assomasul, Pedro Caravina, que desde anúncio da proposta do governo se manifestou contrário.

O presidente da Assomasul, aliás, conversou com a presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), juntamente com os prefeitos dos cinco municípios sul-mato-grossenses ameaçados de extinção pela PEC do Pacto Federativo: Figueirão, Rogério Rosalin; Rio Negro,Cleidimar Camargo, o Buda do Lair; Novo Horizonte do Sul, Marcílio Benedito; Taquarussu, Roberto Nem; e Jateí, Eraldo Jorge Leite.

No encontro, a senadora sul-mato-grossense foi bem clara quando disse aos gestores públicos que a proposta não passa pelo Congresso Nacional.

“O Congresso Nacional é municipalista, conhece as dificuldades dos municípios pequenos de cinco mil habitantes. A solução não está na extinção destes municípios. Ao contrário, temos de ter uma política pública específica para que aqueles que não têm condição de ter receita própria, possam oferecer os serviços públicos necessários à população.

Segundo a senadora Simone, o sistema federativo brasileiro acaba por dificultar a sobrevivência dos municípios pequenos.“Então, vamos fazer deste limão, uma limonada. Vamos aproveitar essa proposta, que não pode passar, para fazer uma ampla discussão e apresentar um texto que permita o tratamento diferenciado para garantir mais recursos nas mãos dos municípios pequenos”, disse.

Os prefeitos de Mato Grosso do Sul também estiveram nos gabinetes dos senadores Nelsinho Trad (PSD-MS) e Soraya Thronicke (PSL-MS).

Fonte: Campograndenews

Artigo anteriorDólar fecha em baixa, de olho em decisões sobre taxas de juros
Próximo artigoSeis em cada dez industriais consideram governo Bolsonaro ótimo ou bom

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui