Sextou na ALEMS: saiba os sintomas e como ajudar em casos de depressão

0

Sextou na ALMS é uma iniciativa da Escola do Legislativo em prol da qualidade de vida do servidor

Com o intuito de melhorar a qualidade de vida do servidor, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS) proporcionou mais uma edição do Programa Sextou, realizado pela Escola do Legislativo Ramez Tebet, dessa vez com o tema O Servidor Público e a Depressão: Reflexões sobre a Prevenção, Sinais e Tratamento, em alusão às ações do Setembro Amarelo.

Duas palestrantes guiaram o debate no Plenarinho Nelito Câmara nesta sexta-feira (27): a psicóloga e pedagoga Daniele Xavier e a neurocientista Glaucia Benini. Elas enfatizaram a importância de atentar a alguns sinais psicológicos:

– falta de interesse em coisas antes prazerosas; – ansiedade (mãos suando, frio na barriga, taquicardia, apertamento no peito); – agressividade e respostas violentas; – falta de foco e concentração (letargia); – tudo parece ser 10 vezes pior do que realmente é; – melancolia; – isolamento; – neuroses e angústias (me sinto bem no trabalho?); – negação de que algo está acontecendo e que é preciso ajuda.

Sintomas físicos mais comuns:

– insônia; – impotência sexual ou falta de libido; – problemas na tireoide; – pressão alta; – problemas intestinais; – cansaço/esgotamento físico (e a Síndrome de Burnout – “queimar por dentro”); – gastrites.

Daniele e Glaucia explicaram os sintomas e sinais

Remédio e terapia

Segundo a neurocientista, a depressão traz um desequilíbrio ao corpo, podendo ser hereditária, em 40% dos casos, e deve ser tratada aliando a Psicologia e a Psiquiatria. “Na maioria dos casos é preciso o uso de medicamentos para corrigir esse desequilíbrio, pois o depressivo se vê sem saída e tem saída. Se você encontra alguém com um problema físico, que se não procurar um pronto socorro ela vai morrer e você corre com ela ao pronto socorro, por que não fazer isso também pela saúde mental?”, questionou Glaucia Benini.

A psicóloga concordou. “Temos que olhar para o sujeito como um todo, em sua complexidade e compreender que é preciso cuidar do mental. O sistema muitas vezes não colabora, o ambiente de trabalho não dá o suporte necessário, mas é preciso vencer a barreira do tabu e da negação”, ressaltou Daniele Xavier, que alerta para os inúmeros casos de suicídio, consequentes da depressão não tratada e prevenida.

O encontro ocorreu no Plenarinho Nelito Câmara

Alguns servidores confirmaram que já passaram por quadros depressivos. “Voltei de uma recente cirurgia de câncer de tireoide e ainda me sinto mentalmente frágil. Não queremos mostrar, queremos vir, trabalhar, nos sentir úteis, mas como ainda estou em tratamento me sinto precisando de apoio. Muitas vezes não queremos ver a depressão como doença, mas ela é”, disse Telma Justi, servidora da Secretaria de Assuntos Legislativos e Jurídicos.

O tenente Tagino, da assessoria militar da Casa de Leis também usou a fala para relembrar que  muitos homens se negam a pedir ajuda. “Essa questão da masculinidade e da pressão de ser o provedor faz com que temos muitos casos de depressão e consequentes suicídios. Na Polícia Militar já tivemos quatro só esse ano, todos homens. Há muitos trabalhando doentes. O serviço desgastante, a falta de apoio e a barreira mental nos faz repensar a doença”, considerou.

Como ajudar e buscar apoio

As profissionais citaram formas de ajudar ou buscar ajuda:

– acolher o colega de trabalho, ouvindo-o e encaminhando para profissionais e, se necessário, procurando a família dele para alertar sobre o quadro; – se tiver alguém depressivo na família, a família também precisa de ajuda e suporte profissional; – dialogar sobre saúde mental sempre que possível para quebrar os tabus que envolvem a depressão; – entender que não pode interromper tratamento médico e psicológico sem o aval do profissional; – perceber se o líder está adoecendo todo um grupo é preciso encaminhá-lo ao tratamento também; – não tomar os problemas dos outros como seus, a ponto de adoecer junto.

Na ALEMS

Na Assembleia Legislativa, há o espaço Apoio Legal, em que uma psicóloga da Escola do Legislativo Ramez Tebet está à disposição para a escuta ativa do servidor e os encaminhamentos necessários, basta ir ao setor. Para o coordenador da Escola do Legislativo, Ben-Hur Ferreira, este Sextou na ALEMS foi mais uma oportunidade de reflexão.

“Somos seres humanos em formação, em todas as dimensões, técnicas e existenciais e esse é o objetivo do Sextou, ampliar a discussão sobre as coisas que não há escola para ensinar, por exemplo, como lidar com o luto, a depressão, uma separação, ninguém ensina como ser pai, como ser mãe, esposa ou esposo. Nosso projeto é abrir uma roda de conversa leve, mas profunda e por isso agradeço imensamente a presença de todos”, finalizou Bem-Hur.

Uma audiência pública já foi realizada para debater o tema – reveja aqui. Alguns projetos de leis estão em tramitação na Casa de Leis confira-os aqui ou buscando na barra de pesquisa das notícias por Setembro Amarelo.

Artigo anteriorRodada em Batayporã conhecerá últimas semifinalistas da Copa Assomasul
Próximo artigoNo Dia Nacional da Doação de Órgãos, Central de MS celebra 3,5 mil doações em 20 anos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui