Governo fará estudo para tentar recuperar R$ 11 bilhões da dívida ativa

0
Sefaz e PGE vão trabalhar juntos em plano para recuperação de créditos da dívida ativa. (Foto: Arquivo)

O governo do Estado determinou a criação de um grupo de trabalho que estudará formas de gerenciar, cobrar e receber ao menos parte dos cerca de R$ 11 bilhões que, hoje, integram a dívida ativa com a administração de Mato Grosso do Sul. Decreto neste sentido foi publicado nesta quinta-feira (19) no Diário Oficial, prevendo a apresentação de um plano de recuperação dos valores em até 90 dias depois da instalação do colegiado.

Os R$ 11 bilhões envolvem valores a serem recebidos de contribuintes na ativa e devedores e também os insolventes –“créditos podres”, vinculados, por exemplo, à morte ou extinção de empresas sem possibilidade de responsabilização legal, entre outros. O valor exato de cada tipo de crédito, definindo exatamente qual o total recuperável, também será uma das missões do grupo de trabalho, que contará com servidores da Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda) e da PGE (Procuradoria-Geral do Estado).

A criação do grupo de trabalho segue recomendação do TCE (Tribunal de Contas do Estado) que, em processos referentes à prestações de contas da administração estadual, sempre sugere à administração estadual a instituição de meios para recuperação de créditos hoje considerados perdidos.

Foi o que ocorreu em maio deste ano, quando foram aprovadas com ressalvas as contas do governo de 2018. Em seu voto, o conselheiro Flávio Kayatt orientou a instalação de um grupo de trabalho para estudar os motivos da baixa recuperação de créditos da dívida ativa e instituição de meios para se realizar a cobrança.

Conforme o decreto, o grupo de trabalho interinstitucional deverá propor mecanismos eficazes de gestão, cobrança e recebimento de valores inscritos na dívida ativa, sendo formado por quatro membros titulares e igual número de suplentes –dois da PGE e dois da Sefaz (um deles, necessariamente, servidor da Superintendência de Gestão de Informação), a serem indicados pela procuradora-geral do Estado, Fabíola Marquetti Rahim, e pelo titular da secretaria, Felipe Mattos.

Caberá à PGE indicar o coordenador do grupo, que ficará responsável por definir os calendários de encontros para realização dos trabalhos. O grupo ainda poderá contar com integrantes de outros órgãos e entidades públicas, convidados, para as reuniões. As conclusões do estudo serão encaminhadas ao governador, para definição de sua implementação.

Artigo anteriorSEMAI realiza plantio de ipês em comemoração ao Dia da Árvore
Próximo artigoTereza Cristina reúne ministros da Agricultura do Brics em Bonito

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui