Ficar fora da reforma da previdência custará R$ 170 bilhões aos municípios

0

O impacto de não incluir os municípios na Reforma da Previdência – em números – foi mostrado pelo jornal Valor Econômico, por meio da matéria “Ficar fora da reforma custa R$ 170 bi em 10 anos a cidades”.

O texto foi publicado nesta terça-feira, 30 de julho, e destaca atuação da CNM (Confederação Nacional dos Municípios) e da FNP (Frente Nacional dos Prefeitos) para reincluir os municípios na reforma durante tramitação no Senado.

De acordo com os números, mais de 2 mil prefeituras com RPPS (Regime Próprio de Previdência Social) terão economia com aposentadoria e pensões.

Em quatro anos, a redução será de R$ 41 bilhões.

O texto ainda destacou a informação da CNM, de que um município que tenha déficit atuarial de R$ 100 milhões reduzirá o rombo para R$ 26 milhões.

A avaliação é de que a alíquota suplementar cairá bastante e, em alguns lugares, poderia ser extinta. Em outros casos, o município poderá reduzir a alíquota ordinária.

Entre as prefeituras mais afetadas, estão São Paulo, com redução na despesa previdenciária de R$ 20,5 bilhões em dez anos; Rio de Janeiro, com R$ 13,15 bilhões; Curitiba, com R$ 5,29 bilhões; Fortaleza, com R$ 3,85 bilhões; e Belo Horizonte, com R$ 3,66 bilhões.

“Os dados repassados pela Secretaria Especial de Previdência Social e pela CNM consideram a proposta original de reforma, encaminhada pelo governo ao Congresso em fevereiro”, diz a matéria.

“Os prefeitos terão dificuldades de aprovar mudanças nas regras previdenciárias, principalmente, com a proximidade das eleições municipais”, disse o presidente da CNM, Glademir Aroldi, ao jornal.

Para Aroldi, a economia que as prefeituras teriam com as mudanças na Previdência poderia viabilizar investimentos em áreas essenciais como saúde e educação.

DEMISSÃO AUTOMÁTICA 

Servidores municipais terão demissão automática com aposentadoria foi o título de matéria publicada nesta quarta-feira (31), pelo jornal sobre o mesmo assunto.

Além do fim do vínculo empregatício com a aposentadoria, a proposta de reforma veda a criação de novos regimes próprios de Previdência, o que é criticado por Aroldi ao jornal.

Para ele, a medida pode ser questionada judicialmente pelos Municípios, pois considera que a proposta da forma com que foi aprovada em primeiro turno interfere na autonomia das prefeituras.

Artigo anteriorApós asfalto, obra de calçadas na Vila Nova começou nesta quarta em Mundo Novo
Próximo artigoAgehab aumenta teto de renda do Programa Habitacional Financiado e Subsidiado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui