Projeto do governo estadual foi apresentado na sessão ordinária desta terça-feira

0
Projeto do governo estadual foi apresentado na sessão ordinária desta terça-feira

Começou a tramitar na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS) o Projeto de Lei Complementar 09/2019, do Poder Executivo, que altera o Estatuto dos Profissionais da Educação Básica do Estado (Lei Complementar 87/2000). Entre as propostas, estão mudanças nos procedimentos para convocação dos professores e fixação de tabela própria para remuneração dos profissionais convocados. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) solicitou tramitação em regime de urgência.

O projeto acrescenta e revoga dispositivos da Lei Complementar 87/2000. Conforme a mensagem do Executivo , as mudanças são necessárias  “para adequar e corrigir algumas distorções” constantes no Estatuto. Será criado um “Banco Reserva de Profissionais para a Função Docente Temporária, que será utilizado sempre que o Estado necessitar de um profissional temporário, observada a ordem de classificação do habilitado no referido Banco”. A inclusão dos profissionais nesse banco resultará de processo seletivo.

Pela proposta, também haverá modificações nas horas-aulas e nas horas-atividades. Para os profissionais com 40 horas semanais, a carga horária será de 48 horas, sendo 32 em sala de aula e 16 para planejamento. Para o cargo de 20 horas, a carga horária para para 24, sendo 16 horas-aulas e 8 de horas-atividades. A coordenação pedagógica, a direção escolar e assessoramento escolar, serão 40 horas semanais. Essa também é a carga proposta para o profissionais de Apoio Técnico Operacional.

Entre os dispositivos acrescentados, há um (artigo 17-B) relativo ao salário dos professores. O texto proposto afirma: “A remuneração a ser paga ao profissional convocado para 40 (quarenta) horas semanais será estabelecida em tabela própria a ser fixada em regulamento observadas as seguintes condicionantes: I – o valor da remuneração não será inferior ao Piso Nacional; III – não se aplicará aos profissionais convocados a tabela remuneratória vigente para os Profissionais da Educação Básica”.

“Os procedimentos para a convocação, que ora se propõe, objetiva por fim às inúmeras demandas judiciais que questionam a ausência de aspectos objetivos para a seleção e convocação do profissional para a docência temporária na Rede Estadual de Ensino”, afirma o governador. Ele menciona uma ação específica, “proposta pelo Ministério Público Estadual e que tramita perante a 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, cuja tutela antecipada foi, aos 10 de junho do corrente ano, parcialmente deferida para compelir o Estado a estabelecer, no prazo de 30 dias, critérios objetivos para classificar os candidatos a professor temporário, cujos efeitos deverão ser produzidos para as convocações a partir de janeiro de 2020”.

O projeto será analisado pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) e seguirá para votação no Plenário. Deverá tramitar em regime de urgência por solicitação do governo.

Artigo anteriorPrograma Fala Sério aconteceu nesta segunda, Jandaia e a galera “Falou Sério” Ou não…
Próximo artigoPrefeitos buscam apoio em favor da inclusão dos municípios na reforma da Previdência

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui