Prefeito Valdomiro impediu inadimplência de Mundo Novo junto ao Governo Federal parcelando débito de R$ 553 mil

0

Débito é relativo à má gestão de convênio em asfalto no bairro São Jorge em 2013; segundo a Sudeco, prefeitura realizou contrapartida em conta estranha ao convênio e município tem que devolver valor total do repasse recebido corrigido: atitude do prefeito evita que município deixe de receber recursos da União

Evitando que o município ficasse inadimplente no Siconv (Sistema de Gestão de Convênio e Contratos de Repasse do Governo Federal), e demais sistemas do Governo Federal, o prefeito Valdomiro Sobrinho (PL) assinou recentemente, em Brasília, um parcelamento de R$ 553.737,47 (quinhentos e cinqüenta e três mil, setecentos e trinta e sete reais e quarenta e sete centavos) junto a Sudeco em 60 meses.

Com o município inadimplente, ele simplesmente não receberia mais recursos e deixaria de assinar convênios com o Governo Federal. A primeira parcela, no valor de R$ 9.228,00, foi paga. As 59 demais devem ser pagas no último dia útil de cada mês.

O município foi condenado a devolver o valor total do repasse do Governo Federal pelo convênio 755268/2010, de R$ 346.154,87, corrigido pela variação da Selic (R$ 207.582,60), que chegou ao montante de mais de R$ 550 mil.

O objeto do convênio eram pavimentação de cinco ruas no bairro São Jorge: Maranhão, Deputado Fernando Saldanha, Senador Felinto Muller, Sargento Zandoná e Amazonas.
Outro problema para o município é que o asfalto construído não foi de boa qualidade e em 2018 a Sudeco (Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste) veio a Mundo Novo fazer uma avaliação sobre a aprovação ou não do serviço. O laudo ainda não foi apresentado pela Sudeco.

ENTENDA O CASO

Em 15 de abril de 2016 a prefeitura de Mundo Novo enviou uma justificativa para a Sudeco, informando “que houve pagamento de contrapartida financeira, diretamente a empresa que executou os serviços de pavimentação asfáltica, sem movimentação na conta do convênio”.

Na justificativa, é indicada uma transferência de R$ 44.103,59 em 05/12/2013 – no pagamento de uma nota fiscal no valor de R$ 112.066,00 –, sendo movimentada direta na conta corrente do município (e não pela conta convênio) para a empresa. O mesmo para outra nota fiscal – no valor de R$ 124.780,99 –, em uma transferência de R$ 118.417,16, em 22/01/2014.

O Governo Federal não aceitou a justificativa, alegando que a conta informada era estranha ao convênio e que toda movimentação deveria ter sido feita somente na conta convênio, rejeitando a execução do convênio. Assim, o município ficou inadimplente e não restou alternativa ao atual prefeito que não fosse a negociação e o parcelamento da dívida.

Texto: Jandaia Caetano
Fotos: Neco Rocha

#PraCegoVer – Imagem do gabinete com o prefeito Valdomiro e coordenador de convênio Saulo da Silva

Artigo anteriorCurso de Biscoitos, Bolos Simples e Confeitados deu início ontem (03), no Centro de Qualificação Profissional e Social
Próximo artigoInfraestrutura já construiu cerca de 300 dos 700 tubos que serão necessários para asfalto no Universitário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui