Prefeitos buscam apoio da bancada federal em favor da pauta municipalista

0
Caravina participou de encontro da CNM em Belo Horizonte

Willams Araújo

Os prefeitos deram início a uma ofensiva na tentativa de convencer senadores e deputados federais da representatividade de Mato Grosso do Sul no Congresso Nacional sobre a importância da aprovação de várias matérias de interesse dos municípios.

São propostas que tramitam nas duas casas legislativas (Câmara e Senado) que se aprovadas beneficiarão diretamente a população que reside nas bases eleitorais dos parlamentares.

Uma das matérias em destaque é a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 49/2019 que prevê coincidência das eleições no país, incluindo a proibição da reeleição dos atuais prefeitos e vereadores para que haja um só pleito em 2022 para todos os cargos eletivos.

Na prática, o texto original da emenda constitucional estende o mandato dos atuais gestores municipais e vereadores por mais dois anos, encerrando em 1º de janeiro de 2023, junto com os governadores, vice-governadores, deputados federais e deputados estaduais, eleitos em 2018.

Atualmente, a escolha de presidente, senador, deputado federal, deputado estadual e governador ocorre no mesmo ano e, dois anos depois, se dá a eleição para prefeito e vereador.

Além de por fim a um gasto calculado em torno de R$ 4,5 bilhões a cada pleito, a ideia é coincidir também os planos de investimentos dos governos federal, estaduais e municipais.

O presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) e prefeito de Bataguassu, Pedro Caravina (PSDB), detalha que o Plano Plurianual dos Municípios nunca coincide com o Plano Plurianual do governo federal e do governo estadual, dificultando, segundo ele, os investimentos essenciais.

Caravina participou na terça-feira (14) de reunião itinerante do Conselho Político da CNM (Confederação Nacional de Municípios), em Belo Horizonte (MG), na qual o colegiado deliberou pela aprovação da PEC de autoria do deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB-SC) que tramita no Congresso.

No retorno a Campo Grande, o dirigente municipalista sugeriu que os prefeitos procurassem seus senadores e deputados a fim de aprovar o texto e outras propostas que se passarem pelo Congresso poderão mudar a realidade financeira das prefeituras.

“O que está tramitando com força lá no Congresso é a questão da cessão onerosa do petróleo. Esse sim tem condições de trazer recursos importantes para os municípios porque é o ônus da concessão que vai ser dividido com os estados e municípios”, disse aos prefeitos o presidente da Assomasul, que deve se reunir em breve com a diretoria da entidade para tratar dos assuntos discutidos em MG.

ACRÉSCIMO DE MAIS 1% do FPM

Caravina destacou que a participação de todos é importante para pressionar os parlamentares na celeridade da tramitação de matérias como a que trata do acréscimo de mais 1% do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) para o mês de setembro.

Outras pautas importantes também foram discutidas em Belo Horizonte como parte do 36º Congresso Mineiro de Municípios, como a Nova Previdência, o ISS (Imposto Sobre Serviços) e os royalties do petróleo.

Os prefeitos vão pedir também apoio aos congressistas para matérias que prevêem mais recursos para os municípios, como a Lei Kandir e a garantia do STF (Supremo Tribunal Federal) colocar em votação a liminar sobre os royalties do petróleo.

Artigo anteriorPrefeitura de Amambai realiza Bingo de Dia das Mães neste domingo (19)
Próximo artigoPrestação de Contas do Governo de Mundo Novo continua hoje com o Gabinete Institucional do Prefeito Valdomiro Sobrinho

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui