Ao lado de Tebet, Moro diz que projeto anticrime está aberto a sugestões

0
Ministro da Justiça, Sergio Moro, participa de audiência na CCJ, presidida por Simone Tebet (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

O ministro da Justiça, Sergio Moro, participa de audiência pública na CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) do Senado Federal, que é presidido pela senadora Simone Tebet (MDB), para discutir o Projeto de Lei Anticrime que encaminhou ao Congresso Nacional. Durante a conversa, o ex-juiz federal afirmou que a proposta está aberta a sugestões e críticas.

A audiência começou na manhã desta quarta-feira (27) e seguiu até o meio da tarde. “O foco dos projetos é o endurecimento em relação à criminalidade mais grave. Estamos abertos a sugestões, críticas e aprimoramentos”, declarou o ministro durante a discussão.

O pacote anticrime, como é conhecido, são formados por três projetos (PL 881/2019, PL 882/2019 e PLP 38/2019), que modificam 14 leis, entre elas o Código Penal (Lei 2.848, de 1940) e o Código de Processo Penal (Decreto-Lei 3.689, de 1941).

Durante sua exposição, o ministro também destacou algumas ações já adotadas pelo governo nos primeiros meses do ano, como a transferência de líderes da facção PCC (Primeiro Comando da Capital) de unidades prisionais de São Paulo para penitenciárias em outros estados e apontou iniciativas que devem começar a funcionar nos próximos meses, como o Programa Nacional de Enfrentamento à Criminalidade Violenta.

O programa é um projeto-piloto interministerial para tentar reduzir os índices de criminalidade no país. De acordo com Moro, a ideia é que o governo federal firme convênios com estados e municípios para atuar nas cidades com altos índices de crimes violentos, desenvolvendo ações de segurança pública.

O ministro ainda informou que serão escolhidos inicialmente cinco municípios com índices de criminalidade elevados e deve sair do papel no segundo semestre. “O que tem que ser feito é gerar um impacto nessas comunidades especialmente afetadas não só para a questão do bem-estar das pessoas ali residentes, mas igualmente tentar gerar um círculo virtuoso de mudança”, declarou.

A presidente da CCJ ressaltou que a segurança pública é prioridade de dez em cada dez cidadãos brasileiros. “Temos uma pauta extensa de segurança pública nesta comissão. Eu diria que 80% dos nossos projetos estão relacionados à segurança pública”.

Ainda conforme o ministro, a primeira cidade a receber o projeto-piloto Foz do Iguaçu (PR), que faz fronteira com o Paraguai. A ideia, segundo Sergio Moro, é instalar outros centros em regiões de fronteira. (Com assessoria)

Artigo anteriorMarquinhos diz que Bolsonaro só libera verba após passar Reforma
Próximo artigoFerroviária sai em alta de Itaquera, mas sai em alta do Paulistão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui