Na máfia do cigarro, mais 2 policiais são condenados a 11 anos de prisão

0
Movimentação de policiais que aturam durante a operação em frente à Corregedoria na 1ª fase da operação (Foto: arquivo/Campo Grande News

Foram inocentados os PMs Roni Lima Rios, Clodoaldo Casanova e Nestor Bogado Filho. Eles também eram acusados dos crimes de corrupção passiva e organização criminosa.

No dia 28 de fevereiro, foram julgados outros seis policiais. Alisson José Carvalho de Almeida foi condenado a 13 anos, 6 meses e 29 dias de prisão em regime fechado por corrupção passiva e organização criminosa. Já a policial Maira Aparecida Torres Martins foi condenada a 12 anos, 3 meses e 6 dias de prisão em regime fechado pelos mesmo crimes.

Os policiais Kleber da Costa Ferreira, Salvador Soares Borges, Anderson Gonçalves de Souza e Wagner Nunes Pereira foram inocentados dos crimes de corrupção passiva e organização criminosa. Kleber também era acusado pelo crime de quebra de sigilo profissional.

No dia 10 de dezembro, a Justiça Militar condenou os três oficiais da Polícia Militar que comandavam o esquema de corrupção. Na ocasião, foram condenados o tenente-coronel Admilson Cristaldo, o tenente-coronel Luciano Espíndola da Silva e o major Oscar Leite Ribeiro. Segundo o Gaeco, os três eram os líderes do esquema de corrupção da Máfia do Cigarro. O último julgamento do caso realizado pela Vara da Auditoria Militar será amanhã (8), às 14h.

Operação – Na primeira fase da Oiketicus, realizada em 16 de maio do ano passado, foram cumpridos 20 mandados de prisão preventiva contra policiais, sendo três oficiais, e 45 mandados de busca e apreensão. O saldo total foi de 21 prisões porque um sargento acabou preso em flagrante.

A ação foi em 16 localidades: Campo Grande, Dourados, Jardim, Bela Vista, Bonito, Naviraí, Maracaju, Três Lagoas, Brasilândia, Mundo Novo, Nova Andradina, Boqueirão (distrito), Japorã, Guia Lopes, Ponta Porã e Corumbá. Segundo a investigação, a remuneração para os policiais variava de R$ 2 mil por mês a R$ 100 mil.

A segunda etapa aconteceu no dia 23 de maio, com mandado de busca e apreensão na casa e escritório de então servidor do TCE (Tribunal de Contas do Estado). A terceira fase foi em 13 de junho, quando mais oito policiais foram presos. No dia primeiro de novembro, a quarta etapa prendeu um tenente-coronel e um sargento.

Artigo anteriorColegas de trabalho procuram mototaxista desaparecido desde 16 de fevereiro
Próximo artigoNa cidade de MS onde garotas assumiram o PCC, rival queria comer coração de ‘irmã’ para ser chefe

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui