Candidato mais rico do país é de Brasília e tem R$ 668 milhões em bens

0
(Foto: Reprodução/TSE)

O candidato mais rico do país nas eleições deste ano concorre no Distrito Federal ao cargo de senador. O empresário do ramo farmacêutico Fernando de Castro Marques declarou ter patrimônio de R$ 667,9 milhões ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Ele é filiado ao Solidariedade e disputa pela primeira vez uma vaga na Casa.

De acordo com o portal UOL, a maior parte do patrimônio de Marques vem de “quotas ou quinhões de capital”, ou seja, participação no capital de empresas: cerca de R$ 338,9 milhões. O restante do patrimônio declarado de Castro Marques é composto por aplicações, fundos e terrenos, entre outros.

Na década de 1970, seu pai, João Marques, comprou o laboratório Prata, que mais tarde originaria a União Química, uma das maiores farmacêuticas do Brasil.

Em segundo lugar no ranking dos candidatos mais ricos, vem o presidenciável pelo Novo, João Amoêdo, com patrimônio declarado de R$ 425 milhões. Amoêdo construiu a carreira em instituições financeiras. Segundo o presidenciável em entrevista à Folha de S. Paulo, a riqueza é um “indicador importante da capacidade” da pessoa.

O terceiro candidato mais rico do pleito é Ogari de Castro Pacheco, com R$ 407,7 milhões, de acordo com as informações prestadas ao TSE. Assim como Castro Marques, Pacheco também faz parte do ramo farmacêutico, sendo o controlador do laboratório Cristália. Ele concorre no Tocantins a segundo suplente do candidato a senador Siqueira Campos (DEM).

Em quarto lugar, aparece o candidato a vice-governador de Mato Grosso pelo PDT, o empresário agropecuário Otaviano Pivetta, com R$ 379,4 milhões em bens. Completando os cinco mais ricos está o ex-ministro da Fazenda de Michel Temer e candidato à Presidência pelo MDB, Henrique Meirelles. Ele declarou ao TSE ter R$ 377,4 milhões.

Bilionários sem querer

Conforme o UOL, outros seis candidatos aparecem com patrimônios na casa dos bilhões. Entretanto, isso ocorre devido a erro de digitação no momento de passar os dados da declaração de bens apresentada ao TSE para o sistema do tribunal de registro de candidaturas.

O candidato a deputado federal por São Paulo Everaldo Brito (Pros), por exemplo, consta como tendo a maior fortuna: R$ 1,2 bilhão. Seriam R$ 700 milhões em “bens imóveis”, R$ 480 milhões em uma única casa e R$ 22 milhões em veículos.

O patrimônio real, porém, ele declarou ser um barracão no valor de R$ 700 mil, quatro chácaras no total de R$ 480 mil, um carro de R$ 16 mil, outro veículo de R$ 6,7 mil e uma motocicleta de R$ 16 mil. Ele ainda afirma não ter adquirido os bens em 2018.

O segundo candidato teoricamente mais rico, de acordo com o TSE por causa de erros de digitação, é o advogado Fernando César de Camargo Rosseto, que também disputa as eleições a deputado federal por São Paulo pelo Pros. Ele declarou ser dono de metade de uma casa em Vila Alpina, São Paulo, no valor de R$ 850 mil. No entanto, no sistema do TSE, a residência aparece como tendo valor de R$ 850 milhões.

Erros similares aconteceram com os candidatos Cosme Leite (deputado estadual do Acre pelo PRP), Antônio Queops Vasconcelos Miranda (deputado federal pelo Tocantins pela Rede), Jacson Gimenes Santos (deputado estadual do Rio Grande do Sul pelo PV) e Beethoven Elias de Oliveira (deputado federal por São Paulo pelo Pros).

O TSE informou que os erros são causados na digitação pelos partidos políticos. Em casos como esses, é possível que a Justiça Eleitoral questione os candidatos se verificar “desconformidade de informação” na análise dos pedidos de registro das candidaturas. Os dados podem ser corrigidos a qualquer momento pelas próprias siglas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui