Presidente do Bayern detona Özil: “Não joga m*** nenhuma há anos”

0

Depois de anunciar a aposentadoria por questões políticas, Özil acabou se tornando alvo de críticas. O presidente do Bayern de Munique, Uli Hoeness detonou o meia do Arsenal, afirmando que o alemão não faz boas atuações há anos.

– Estou feliz por isso ter acabado. Ele não joga m*** nenhuma há anos. Ele não ganha uma dividida desde antes da Copa de 2014. Agora ele e sua performance de m*** estão escondidas atrás dessa foto – disse Hoeness ao jornal “Sport Bild”.

Mesut Özil foi alvo de críticas do presidente do Bayern de Munique, Uli Hoeness (Foto: Reuters)

O presidente também relembrou o duelo entre Bayern e Arsenal pelas oitavas de final da Liga dos Campeões da última temporada – vencido pelos alemães por 5 a 1 – e declarou que Özil não estava mais apto para defender a Alemanha.

– Quando jogamos com o Arsenal, jogamos em cima dele porque sabíamos que era o ponto fraco do time. O desenvolvimento do nosso país é uma catástrofe. Você precisa voltar para o que isso é: esporte. Do ponto de vista esportivo, Özil não tem espaço na seleção há anos.

Apesar das críticas do mandatário do Bayern, Özil também recebeu apoio de personagens do mundo futebolístico.

“Surreal ver alguém que fez tanto pelo seu país, dentro e fora de campo, ser tratado com tanto desrespeito. Muito bem, Özil, por se posicionar contra esse comportamento”, escreveu o companheiro de Arsenal Bellerí.

Entenda o caso

Quase um mês após a eliminação da Alemanha da Copa do Mundo, o meia Mezut Özil emitiu, via Twitter, um comunicado oficial, no último domingo, em tom de desabafo, declarando que não mais jogará pela seleção do país.

Campeão mundial no Brasil, em 2014, o meia do Arsenal justificou a decisão por se considerar perseguido e discriminado pela Federação Alemã de Futebol (DFB) devido à sua ascendência turca e, principalmente, por expressar suas opiniões favoráveis à imigração e ao multiculturalismo na sociedade alemã.

A crise entre Özil e a Federação Alemã ganhou força depois que o jogador posou, junto com o meia Ilkay Gündogan, também da seleção alemã, com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, no dia 13 de maio, em Londres. A possível conotação política do encontro desagradou a Federação. Özil disse que não quis alimentar a polêmica antes e durante a Copa, mas revelou agora seu descontentamento com a maneira como tem sido tratado – desde antes do episódio – pelos dirigentes esportivos do país, entre outras pessoas.

Ilkay Gündogan, Mezut Özil e o turco Cenk Tosun (à direita) posam com o presidente da Turquia, Recep Erdogan (Foto: Reuters)

“Quando dirigentes do alto escalão da DFB me tratam como eles fizeram, desrespeitando minhas origens turcas e egoisticamente me transformando em propaganda política, então chega. Não é para isso que eu jogo futebol, e eu não vou sentar e não fazer nada a respeito. Racismo não deveria nunca ser aceito”, escreveu Özil.

Artigo anteriorPrefeito Valdomiro participou de reunião que renderá pavimentação asfáltica para municípios lindeiros
Próximo artigoDeputado estadual Bernardo Ribas Carli morre em acidente aéreo no Paraná

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui