Durante audiência Paulo Corrêa cobra providências do Governo Federal para resolver duplicação da BR-163

0
Ao participar na manhã desta sexta-feira (16), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, da Audiência Pública, “A paralisação das obras de duplicação da BR-163 pela concessionária CCR MS Via”, o deputado estadual Paulo Corrêa afirmou que houve sim melhorias após a concessionária assumir a rodovia, mas que há um problema financeiro que está impedindo o término da duplicação e causando prejuízos para usuários e para a própria empresa.

De acordo com ele, Governo Federal é quem deve apresentar uma proposta urgente para solucionar o problema e possibilitar o término da obra.

“A CCR tem um rombo. Existe uma promessa do governo que não foi cumprida. A empresa investiu R$ 1,7 milhão na estrada e tinha a garantia de que ia fazer um empréstimo ponte, que era o jeito que o BNDS bancava as concessões. Neste caso da CCR, essa era a garantia no dia em que ela assinou o contrato, mas depois mudou tudo. O BNDS disse para CCR que não tinha mais nada. Quem está sendo prejudicado? O usuário. Porque dizer que o pedágio é baratinho, é mentira. Minha proposta é aumenta o prazo dessa concessão”, disse.

Paulo Corrêa destacou ainda os resultados positivos após a CCR MS Via assumir a BR-163. “A CCR é um excelente empresa. Não podemos falar nada da operação. A estrada está limpa na lateral, temos visão e o número de acidentes com morte diminuiu 25%. Está tudo certo, mas nós queremos a duplicação. E o que nós precisamos é de uma decisão do governo federal, uma decisão forte, porque essa obra gera emprego e renda para nossos municípios. Esse problema tem solução sim e eu e estou falando em nome das dos usuários. Se tiver um projeto de lei, vamos aprovar o projeto de lei, vamos fazer uma mobilização em Mato Grosso do Sul. Assembleia está unida”, finalizou.

A CCR MS Via assumiu a administração da BR-163 em março 2014, com o compromisso de duplicar mais 800 quilômetros de estrada. Até agora somente 150 quilômetros foram duplicados e em abril de 2017 a empresa anunciou a paralisação da obra e pediu revisão do contrato, continuando a cobrança de pedágios.

Na audiência de hoje, o diretor-presidente da concessionária, engenheiro Roberto de Barros Calixto, disse que a paralisação aconteceu por diversos motivos,  e pediu a regulamentação da Lei 13.448, que possibilita o fim amigável do contrato, o que não é visto com bons olhos pelos participantes da audiência, já que se isso acontecer a CCR poderá deixar a obra, obrigando o governo a fazer uma nova licitação.

Presente no evento, o Ministro da Secretaria de Governo e deputado federal por Mato Grosso do Sul, Carlos Marun, disse que o governo está aberto ao diálogo e tem o compromisso de resolver o problema, prometendo ainda levar a discussão ao conhecimento do presidente Michel Temer e do Ministro dos Transportes.

A audiência resultou em uma Carta de Mato Grosso do Sul com reivindicações dos 21 municípios localizados entre Sonora e Mundo Novo, trecho que compreende a concessão.

A Audiência Pública foi proposta pelos deputados Junior Mochi(MDB) – presidente da Assembleia, e João Grandão (PT) e contou com a presença do Senador Waldemir Moka (MDB), engenheiro da ANTT, Anderson Santos Bellas, o Secretário de Estado de Infraestrutura, Ednei Marcelo Miglioli, prefeitos, vereadores e outras lideranças políticas.

Artigo anteriorPrefeito Valdomiro encontra governador Reinaldo e recebe anúncio de quase R$ 4 milhões para Mundo Novo
Próximo artigoMara fala da importância da reeleição de Reinaldo em Fórum do PSDB em Ivinhema

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui