MP pede transferência de Cabral e afastamento de secretário de Administração Penitenciária Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/mp-pede-transferencia-de-cabral-afastamento-de-secretario-de-administracao-penitenciaria-22299551#ixzz54XaKZ79d stest

0

Para promotores, havia uma ‘rede de serviços e favores’ montada para o ex-governador

RIO — Uma atuação em conjunto do Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) e do Ministério Público Federal (MPF) destrinchou as regalias proporcionadas ao ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) na cadeia e resultou em duas frentes: o pedido para que o secretário estadual de Administração Penitenciária, coronel Erir Ribeiro Costa Filho, e outros cinco gestores do órgão sejam afastados e a solicitação de transferência de Cabral para Curitiba.

INFOGRÁFICO: Linha do tempo das denúncias contra Sérgio Cabral

Na ação relativa ao afastamento, a que O GLOBO teve acesso com exclusividade, o MP-RJ acusa os dirigentes da secretaria e o próprio ex-governador de improbidade administrativa em função de benefícios como visitas fora dos horários determinados; a instalação de um home theater; irregularidades nas celas, exemplificadas pela presença de equipamentos de musculação e a disponibilidade de alimentos em condições fora das determinadas; remédios sem prescrição; e a livre circulação pela Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, o que permitiu a Cabral receber entregas na área externa do presídio — o encontro com um entregador, ferindo as normas do sistema prisional, foi registrado pelas câmeras do circuito interno.

 

Durante o período em que ficou preso em Bangu, os promotores destacam ainda que Cabral contava com a “escolta” de agentes penitenciários e alguns presos. Para o MP-RJ, havia uma “rede de serviços e favores” montada a favor do ex-governador. O processo, que está na 7ª Vara de Fazenda Pública, foi ajuizado pelo Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (Gaesp) do MP-RJ.

Já a ação do MPF, que pede a transferência de Cabral para Curitiba, está na 7ª Vara Federal Criminal, cujo titular é o juiz Marcelo Bretas.

Além de Costa Filho, a ação de improbidade e o pedido de afastamento se estendem ao subsecretário adjunto de Gestão Operacional da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), Sauler Antônio Sakalen; o diretor de Bangu 8, onde Cabral já esteve preso, Alex Lima de Carvalho; o subdiretor de Bangu 8, Fernando Lima de Farias; o diretor do presídio de Benfica, Fábio Ferraz Sodré; e o subdiretor da penitenciária em Benfica, Nilton César Vieira da Silva. O MP-RJ sustenta que, caso permaneçam nos cargos, as regalias podem continuar, além da possibilidade de que os dirigentes determinem a “ocultação e destruição de provas”.

CELULAR NA CADEIA

Durante uma fiscalização feita no presídio em novembro de 2017, os promotores colheram diversas provas das vantagens indevidas disponibilizadas a Cabral e a outros presos da Lava-Jato. Um dos pontos citados no processo é o estoque de remédios que ficava à disposição dos detentos, sem prescrição médica. De acordo com o MP-RJ, o ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes, preso em Benfica desde abril do ano passado, revelou um meio inusitado para a aquisição dos medicamentos: “Por seu absurdo, o interno Sérgio Côrtes informou que os medicamentos foram obtidos através de médicos conhecidos contatados por meio do aplicativo Whatsapp”, escreveram os promotores.

O Ministério Público destacou ainda que o próprio subsecretário de Gestão Operacional afirmou em depoimento, no curso do inquérito, que “objetos de academia encontrados na galeria C (durante a vistoria) não são permitidos” e que “quanto ao micro-ondas, só pode ser utilizado no pátio de visitas”.

A instalação de um home theater, com uma televisão de 65 polegadas, também serviu de base para a acusação do MP-RJ. A investigação aponta que Cabral e outros presos compraram o equipamento e fraudaram a doação por meio da Igreja Batista do Méier, com a anuência da direção do presídio. Em depoimento aos promotores, a missionária Clotilde de Moraes, que assina o termo de doação, explicou a operação comandada pelo ex-governador. Segundo ela, após ministrar um culto na penitenciária, ela e os pastores Carlos Serejo e César Dias foram chamados por Cabral. O ex-governador, então, teria pedido a eles que assinassem o documento formalizando a doação — o papel estava redigido —, acrescentando que o equipamento já havia sido comprado pelos presos. Clotilde disse que se sentiu “ludibriada” por Cabral e que pensava “apenas em ajudar os demais presos, na condição de religiosa”. O pastor Carlos Serejo corroborou a declaração e afirmou que Cabral disse que precisaria de “um termo de doação pró-forma”. Antes mesmo de a suposta doação ser formalizada, o home theater ficou guardado na sala do subdiretor da cadeia.

“Portanto, não se tratou de uma mera falta de cuidado, ainda que inapropriada e inescusável, já que diretor e subdiretor da unidade prisional de Benfica agiram de forma ostensiva, com evidente má-fé, em prol da consecução do evento delitivo. Não há dúvidas de que o réu Sérgio Cabral foi orientado sobre o procedimento a ser adotado para garantir a aparência de regularidade ao simulacro de doação”, diz a peça do MP-RJ.

RELAÇÃO ESTREITA

A falta de controle sobre a circulação de Cabral e outros detentos é outro ponto criticado pelo Ministério Público. A ação destaca que as câmeras mostraram o ex-governador recebendo uma encomenda na área externa do presídio e entregando um envelope ao interlocutor, que, em seguida, parece contar dinheiro — os promotores classificam o encontro como um exemplo do “ambiente de permissividade deliberada”. A norma em vigor exige que qualquer pacote a ser entregue aos detentos deve passar antes pela direção da unidade.

A relação próxima entre Cabral e Erir Ribeiro Costa Filho, que foi comandante da Polícia Militar no governo do peemedebista, também é apontada. Um funcionário de Bangu 8 relatou que o secretário e o ex-governador conversaram por 15 minutos, sozinhos, durante uma ida de Costa Filho a penitenciária, no ano passado. Para os promotores, os benefícios ofertados a Cabral são resultados do “grau de comprometimento do réu Erir Ribeiro com os esquemas previamente ajustados com o réu Sérgio Cabral, sendo aquele personagem indispensável à chancela dos privilégios conferidos a este”.

A Seap disse que só vai responder quando for notificada.A defesa de Cabral ainda não tivera acesso aos autos.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui