Decisão do STF mantém autonomia de município contratar escritório de advocacia

0
27
Vista da entrada da cidade de Sidrolândia

O Supremo Tribunal Federal (STF) negou recurso impetrado pelo MPE-MS (Ministério Público do Estado do Mato Grosso do Sul), que pedia o reexame de ação civil pública que deliberava pela criação de cargo e realização de concurso público no município de Sidrolândia (MS).

O relator do processo foi o ministro Marco Aurélio, que manteve o entendimento sobre a impossibilidade de interferência do poder judiciário – princípio da separação dos poderes – na criação de cargo de procurador jurídico do município.

As entidades municipalistas comemoraram a decisão.

Na decisão do relator, o ministro Marco Aurélio, entende que a “criação de cargos, funções ou empregos públicos da administração direta ou indireta e a realização de concurso para preenchimento de vagas depende de iniciativa do Poder Executivo, restrita ao exercício do poder discricionário do Chefe do Executivo, não podendo o Judiciário se sobrepor àquele, sob pena de afronta aos princípios da separação dos poderes”.

O ministro cita ainda que a decisão recorrida está em sintonia com a jurisprudência do Supremo, “segundo a qual inexiste, considerada a Constituição Federal, obrigatoriedade dos municípios criarem órgãos de Advocacia Pública”.

Fonte: Paraíba Rádio Blog. Com informações do assessor do departamento Jurídico da AMM (Associação Mineira de Municípios), Thiago Ferreira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui