Atlético-MG faz pior jogo do ano, “acorda” tarde, perde mais uma e se complica no Grupo E

0
11
Foto: Andres Stapff/ Reuters

O Atlético-MG fez, contra o Nacional-URU, em Montevidéu, nessa terça-feira, seu pior jogo na temporada 2019. O time foi mal no primeiro tempo e piorou no segundo. Pouco criou, não mostrou nenhuma variedade ofensiva e foi “castigado” na etapa final, com o gol do adversário.

Depois do jogo, personagens do Galo voltaram a usar o discurso de “eles tiveram uma chance e fizeram o gol”, como se a situação fosse obra do acaso ou do azar. A verdade, porém, é que o Atlético-MG não jogou para vencer o jogo. E, muitas vezes, quem joga para empatar acaba perdendo. Foi o que aconteceu.

Levir insistiu no esquema com “três volantes”. Na verdade, são dois volantes – Zé Welison e Jair -, com Elias, volante de origem, atuando como um meia aberto pelos lados do ataque. Contra o Nacional, um problema extra: Elias esteve na maior parte do tempo pela esquerda, lado no qual quase nunca atuou na carreira. Era previsível e se confirmou: não funcionou.

O camisa 7 teve uma atuação muito ruim, como grande parte do time. Assim como aconteceu contra o Cerro Porteño, na última rodada, Cazares e Ricardo Oliveira foram responsáveis por praticamente todas as jogadas de algum perigo do ataque atleticano. O time não tem alternativas de ataque. Quando o camisa 10 está bem marcado, a criação do Galo fica praticamente nula.

Com o time mal ofensivamente, Ricardo Oliveira passou em branco mais uma vez — Foto: REUTERS/Andres StapffCom o time mal ofensivamente, Ricardo Oliveira passou em branco mais uma vez — Foto: REUTERS/Andres Stapff

Com o time mal ofensivamente, Ricardo Oliveira passou em branco mais uma vez — Foto: REUTERS/Andres Stapff

 Depois de sofrer o gol, aos 26 minutos do segundo tempo, Levir Culpi fez suas primeiras duas substituições: Chará e Guga – que entrou como um ala pela direita – foram as tentativas de melhora. Não dava mais tempo. O time até aumentou o volume ofensivo, mas nada além do normal, já que o Nacional, vencendo o jogo, também recuou.

Além de nada ter dado certo no ataque, a defesa também não foi bem. Patric, mais uma vez, foi mal pela direita, deixando muitos espaços e errando em vários lances. Foi naquele lado que o Nacional fez a jogada do gol. Igor Rabello, que tem um bom começo no Atlético-MG, também falhou no lance do gol.

Foi uma noite péssima para o Galo. Para esquecer. Na verdade, o torcedor é quem tem o direito de esquecer, já que a comissão técnica e os atletas precisam se debruçar sobre a partida para identificar – e corrigir – os vários problemas que ficaram evidentes. Ainda dá tempo de reagir na Libertadores, mas as correções precisam ser “para ontem”.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here